Infinita

29.03.2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O sol está tão quente que não deixa chorar. Mas ontem foi possível porque era tarde, quase de madrugada, enquanto ouvíamos histórias simples e estúpidas: deixando quem assiste fazer parte daquilo que inventaram ser preciso evitar.

 

Tira meu Fôlego é arte contemporânea. Por essa arte não se chora, se comenta.

 

No cinema, chorar ainda é permitido ou com algumas histórias, quando deixamos de ser expectador ou leitor. É bonito sair de um filme com os olhos cheios d’água. É bonito terminar um livro e sentir falta de ar; mas não é bonito, nesses dias, sentir-se gente em um lugar feito para acreditar na força objetiva do pensamento. E somente nela.

 

Choro e suor são coisas que não se compartilham publicamente. Via de regra, não é bonito deixar a individualidade na mão dos outros e, para a instituição da arte contemporânea, quem se mostra é persona non grata. A instituição trabalhou duro para evitar esses riscos: criou hábitos, gestos, formas de vestir e seus próprios escritores. É preciso investir no comum, senão, noves fora.

 

A dor de amor do vizinho é risível, destrutiva, cria confusões, pelo perigo da verossimilhança. Ela não pode ter espaço para ser apresentada. Não é chique doer. Ela cria seus próprios direitos. Deixa de conversar com quem não a interessa. É figura conhecida e pode estragar qualquer festa.

 

Mas tudo isso ganhou um lugar ontem à noite. Paixões puderam ser vividas solitariamente.

 

Todos os animais se apaixonam. Eu juro.

“Eu juro” é uma participação de Sheila Ribeiro no mundo

Texto dedicado à Cristian Duarte, Eduardo Fukushima, Raul Rachou, Rodrigo Andreolli, Sheila Ribeiro e Elisa Ohtake

 

Please reload