O confete da Índia

08.09.2013

No meio da composição, a coisa está lá e

quanto mais se mexe, mais é ouvida.

Como se por muitas horas, uma pessoa, no fundo

do poço, uivasse, se debatesse, não para ser salva mas para

continuar presa: consciente de que não foi esquecida, de que está

consigo mesma e com quem a puder escutar.

A coisa nunca irá se sentir em casa –

o conforto convida a coisa que dói na coisa a mudar de assunto.

A coisa vive sem ver o resto, vive mesmo sem querer viver

e persiste com a intenção de nascer no mundo de quem

se retira, de quem desiste.

Texto publicado no jornal 7x7, para a Bienal Sesc de Dança

 

 

Please reload